Como nasceu a devoção ao Preciosíssimo Sangue de Jesus?

O mês de julho foi estabelecido pela Igreja como o mês dedicado ao Preciosíssimo Sangue de  Jesus. A piedade cristã sempre manifestou, através dos séculos, especial devoção ao Sangue de Cristo derramado para a remissão dos pecados de todo o gênero humano, por ocasião da Paixão e Morte de Jesus e atravessando a história até hoje com Sua presença real no Sacramento da Eucaristia.

A fonte desta devoção está no lado aberto de Jesus na cruz, no trono glorioso, loucura para os homens e vitória para Deus: “Chegando, porém, a Jesus, como o vissem já morto, não lhe quebraram as pernas, mas um dos soldados abriu-lhe o lado com uma lança e, imediatamente, saiu sangue e água”. (Jo 19,33-34)

Quereis conhecer o poder do Sangue de Cristo? repara de onde começou a correr e de que fonte brotou”. (São João Crisóstomo)

Desde tempos muitos remotos, a devoção ao preciosíssimo Sangue de Jesus sempre esteve presente e floresceu cada vez mais em meio ao clero e aos fiéis, através de solenidades, preces públicas e ladainha própria, com o fim de pedir a Deus perdão dos pecados, afastar os fiéis dos justos castigos, implorar as bençãos do céu sobre os frutos da  terra e prover nossas necessidades espirituais e temporais.

A devoção ao Preciosíssimo Sangue de Jesus surgiu no século passado, foi São Gaspar de Búfalo admirável propagador desta isgne devoção tendo o merecimento da aprovação da Santa Sé e por isto até hoje é conhecido como o “Apostólo do Preciosíssimo Sangue”. Foi por ordem do Papa Bento XVI que foram compostos a Missa e o ofício em honra ao Sangue de Jesus para finalmente ser estendida à Igreja Universal por decreto do Papa PioIX.

O Papa João XXIII, cuja família desde sua infância foi fiel devota ao Preciosíssimo Sangue, também penetrou esta santa devoção, tendo logo no início de seu pontificado escrito a Carta Apostólica Inde a Primis, a fim de promover o seu culto, conforme fez menção o Papa João Paulo II em sua Carta ApostólicaAngelus Domini, onde frisa o convite de João XXIII sobre o valor infinito daquele Sangue, do qual “uma só gota pode salvar o mundo inteiro de qualquer culpa”.

Nós vos agradecemos senhor, por vosso Preciosíssimo sangue, pelo qual nós fomos salvos e preservados de todo mal. Amém!

 

Padre Helenildo Marques
Vigário da Paróquia da Catedral
de Nossa de Sra. da Apresentação